fbpx

Converse com nossos experts

Interesse Veus Quick

Dengue IgG / IgM

Detecção qualitativa de anticorpos IgG / IgM para Dengue.

Conheça o exame laboratorial rápido que é ideal para detecção qualitativa de anticorpos IgG / IgM para dengue. Laudo assinado em 20 minutos.

Qual o impacto na saúde

Conheça o exame laboratorial rápido que é ideal para detecção qualitativa de anticorpos IgG / IgM para dengue. Laudo assinado em 20 minutos.

Como funciona esse exame na Veus Quick

O Teste laboratorial veus quick para detecção de anticorpos IgG / IgM para dengue é um ensaio imunocromatográfico para determinação quantitativa de anticorpos IgG / IgM para dengue em amostras de Sangue Total.

Este teste consiste em dois componentes, um componente IgG e um componente IgM. No componente IgG, a região da linha de teste de IgG é revestida com um anti-IgG humano. Durante o teste, a amostra reage com as partículas revestidas de antígeno da Dengue no dispositivo de teste. A mistura em seguida, migra para cima na membrana cromatográfica por capilaridade e reage com o anti-IgG humano na região da linha de teste de IgG. Se a amostra contém anticorpos IgG contra Dengue, uma linha colorida aparece na região da linha de teste IgG. No componente IgM, a região da linha de teste de IgM é revestida com um anti-IgM humano. Durante o teste, a amostra reage com o anti-IgM humano. Anticorpos IgM da dengue, se presentes na amostra, reagem com o anti-IgM humano e com as partículas revestidas de antígeno da dengue no dispositivo de teste, e esse complexo é capturado pelo anti-IgM humano, formando uma linha colorida na região da linha de teste de IgM

A reação é digitalizada e enviada para o laboratório de análises clínicas VEUS QUICK, onde um especialista e nossa inteligência artificial verificam o resultado e enviam o laudo assinado via e-mail e SMS.

Quem deve realizar o exame

O Teste laboratorial veus quick para detecção de anticorpos IgG / IgM para dengue é um ensaio imunocromatográfico para determinação quantitativa de anticorpos IgG / IgM para dengue em amostras de Sangue Total.

Este teste consiste em dois componentes, um componente IgG e um componente IgM. No componente IgG, a região da linha de teste de IgG é revestida com um anti-IgG humano. Durante o teste, a amostra reage com as partículas revestidas de antígeno da Dengue no dispositivo de teste. A mistura em seguida, migra para cima na membrana cromatográfica por capilaridade e reage com o anti-IgG humano na região da linha de teste de IgG. Se a amostra contém anticorpos IgG contra Dengue, uma linha colorida aparece na região da linha de teste IgG. No componente IgM, a região da linha de teste de IgM é revestida com um anti-IgM humano. Durante o teste, a amostra reage com o anti-IgM humano. Anticorpos IgM da dengue, se presentes na amostra, reagem com o anti-IgM humano e com as partículas revestidas de antígeno da dengue no dispositivo de teste, e esse complexo é capturado pelo anti-IgM humano, formando uma linha colorida na região da linha de teste de IgM

A reação é digitalizada e enviada para o laboratório de análises clínicas VEUS QUICK, onde um especialista e nossa inteligência artificial verificam o resultado e enviam o laudo assinado via e-mail e SMS.

Quem não deve realizar esse exame

Sem restrições.

Informações Técnicas

Analito detectado: Anticorpos IgG / IgM para dengue

Método: Imunocromatografia.

Tipo de Amostra: Sangue Total.
Tempo total até a liberação do laudo: 20 minutos
Faixa de detecção: N/A
Especificidade: 95,0%
Sensibilidade: 95,7%
Reg. Anvisa: 80560310009

Orientações para antes de fazer o exame:

Para realizar o exame é necessário levar um documento oficial com foto

Não é necessário jejum

Sem Título-3

Como interpretar o resultado do exame:

IgG e IgM POSITIVOS: *Três linhas aparecem. Uma linha colorida deve estar presente na região da linha de controle (C), e duas linhas coloridas devem aparecer: uma na região da linha de teste de IgG e uma na região da linha de teste de IgM. A intensidade da cor das linhas não têm que combinar. O resultado é positivo para anticorpos IgG & IgM e é indicativo de infecção secundária por dengue.

IgG POSITIVO: *Duas linhas aparecem. Uma linha colorida deve estar presente na região da linha de controle (C), e uma linha colorida aparece na região da linha de teste de IgG. O resultado é positivo para anticorpos IgG específicos do vírus da Dengue e é provável indicativo de infecção secundária da Dengue.

IgM POSITIVO: *Duas linhas aparecem. Uma linha colorida deve estar presente na região da linha de controle (C), e uma linha colorida aparece na região da linha de teste de IgM. O resultado é positivo para anticorpos IgM específicos do vírus da Dengue e é provável indicativo de infecção primária da Dengue.

*NOTA: A intensidade da cor nas regiões da linha de teste de IgG e/ou IgM irá variar dependendo da concentração de anticorpos para a Dengue na amostra. Portanto, qualquer traço de cor presente nas regiões da linha de teste de IgG e/ou IgM deve ser considerado como um resultado positivo.

NEGATIVO: Uma linha colorida deve estar presente na região da linha de controle (C). Nenhuma linha colorida deve aparecer na região da linha de teste de IgG e IgM.

INVÁLIDO: A linha de controle não aparece. Este resultado significa que houve volume insuficiente de amostra ou o procedimento de teste foi realizado incorretamente. Revise o procedimento e repita o teste com um novo dispositivo de teste.

Perguntas frequentes

O vírus da Dengue é um flavivírus transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. É amplamente distribuído por todas as áreas tropicais e subtropicais do mundo, e causa até 100 milhões de infecções por ano. A infecção da Dengue Clássica é caracterizada por um início súbito de febre, intensa dor de cabeça, mialgia, artralgia e exantema. Existem 4 sorotipos do vírus: DENV-1, DENV-2, DENV-3 e DENV-4.

A infecção da Dengue primária provoca aumento dos anticorpos IgM a um nível detectável de 3 a 5 dias após o início da febre. Os Anticorpos IgM geralmente persistem durante 30 a 90 dias. A maioria dos pacientes de dengue em regiões endêmicas contraem infecções secundárias,resultando em altos níveis de anticorpos IgG específicos antes ou em simultâneo com a resposta IgM. Portanto, a detecção de anticorpos específicos IgM e IgG anti-Dengue também pode contribuir na distinção entre infecções primárias e secundárias.

Anticorpos são mecanismos de defesa do organismo, gerados após a exposição a um agente externo. Seu papel é reconhecer e neutralizar esses invasores, para que o corpo os elimine.

Assim, para cada antígeno há um ou mais anticorpos específicos. Graças a essa especificidade, pode-se identificar a infecção por COVID-19.

Dependendo do momento em que são produzidos, os anticorpos são classificados como IgM (imunoglobulinas de classe M) ou IgG (imunoglobulinas de classe G). Anticorpos IgM são os que aparecem primeiro, sendo relacionados a infecções recentes. Muitas vezes, sua presença sinaliza que o paciente está na primeira fase da doença, ou seja, ainda possui o vírus.

Já os anticorpos IgG são produzidos posteriormente. Eles indicam que a infecção se deu há algum tempo e, portanto, que a pessoa deve ter adquirido imunidade ao novo coronavírus. O que não se sabe, até o momento, é se essa imunidade será, ou não, permanente.

Fontes:

  1. Halstead SB, Selective primary health care: strategies for control of disease in the developing w orld: XI, Dengue. Rev. Infect. Dis. 1984; 6:251-264
  2. Halstead SB, Pathogenesis of dengue: challenges to molecular biology. Science 1988; 239:476-481
  3. Ruechusatsawat K, et al. Daily observation of antibody levels among dengue patients detected by enzyme-linked immunosorbent assay (ELISA). Japanese J. Trop. Med. Hygiene 1994; 22: 9-12
  4. Lam SK. Dengue haemorrhagic fever. Rev. Med. Micro. 1995; 6:39-48
  5. Denguehaemorrhagic fever: diagnosis, treatment, prevention and control. 2nd edition. Geneva: World Health Organization
  6. Yamada K, et al. Antibody responses determined for Japanese dengue fever patients by neutralization and hemagglutination inhibition assays demonstrate cross-reactivity between dengue and Japanese encephalitis viruses. ClinDiagn Lab Immunol. 2003 Jul; 10(4): 725-8.
  7. Dobler G, et al. Cross reactions of patients w ith acute dengue fever to tick-borne encephalitis. Wien Med Wochenschr (in German). 1997; 147(19-20): 463-4
  8. Makino Y, et al. Studies on serological cross-reaction in sequentialflavivirus infections. MicrobiolImmunol. 1994; 38(12): 951-5.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária
Ministério da Saúde

Dúvidas? Entre em contato!